sábado, 30 de janeiro de 2010

Two times. - A segunda solidão.

Espere infinitamente que eu chore em teus braços, 
que eu peça de volta os laços, não fui eu quem negou.
Não espero certeza, aliás,
nem sei se senti firmeza, quando quis te amar.
É tudo fachada! 
Não te ensinaram isso nos filmes, 
ou você não assistiu por medo de se decepcionar?
Continue assim, o amor é uma mentira a se negar. 
Quantas vezes terei que te falar, 
que se vive pelo amor ou deve se matar. 
Talvez a morte leve ao esquecimento...
Mas não é esse o melhor remédio, 
bom mesmo é se abandonar ao tédio, 
de quem ama sem poder amar.

Tolice?

ÀS vezes, quando a gente acha que sentimento nenhum é permitido, vem aquele bastardo modismo infantil e a gente se apaixona. Pior, o amor encontra sentido na mesma pessoa que há tempos não era amada. E que, por fim, nunca te amou.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Que motivos te movem a agir mais rapidamente? O que faz você tomar coragem para agir com vontade? Que mudanças te fazem mudar? Sejamos racionais. Não há emoção que explique o que acontece quando duas pessoas se encontram e tornam-se amigos tão rapidamente, que parecem conhecer-se há tempos. Aliás, não há nada que explique isso. Digo isso, não por minhas palavras, mas por minha vivência. Eu não seria o mesmo se não tivesse passado o que passei. O tempo nos monta e remonta sempre que algo importante acontece. Nós somos uma modelagem das consequências dos nossos atos. Portanto, aja da melhor maneira possível, assim você será também melhor.

Seguidores