sábado, 27 de maio de 2017

O Primeiro Adeus

Eu sei que vez ou outra,
numa noite qualquer de desânimo-
como tem sido toda a minha vida,
você busca nesta página o conforto.

Pois bem.
É chegado o momento.
Com as vestes em mãos eu digo:
serei o primeiro
do último a abandonar essa história
que, convenhamos, repete-se.

Há ainda o sobressalto do desatino.
Eu não rio e, em seu lugar, não riria
da desgraça gigantesca em meu caminho
que foi encontrar você.

Que amanhã seja o meu dia e não a sua litania (nunca mais!).

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

O terno do desejo nunca sai de moda

Se a tua mente te trouxe aqui
Por imposição de vontade analítica
Então é cumprida a nossa sina
E suprida a tua fantasia
Que, eu sei, é também a minha

Valha-me, mente maldita!
Eu instigo, instigo, digo e nunca digo,
mas nunca sou o primeiro.

Resta-nos a lição:
Sala ou banheiro?

Seguidores