quarta-feira, 23 de junho de 2010

Alfa.

Vamos lá, atire as pedras.
Eu estou esperando você atacar.
Vamos lá, enfie a faca.
Eu estou esperando o sangue derramar.

Sujeito composto de defeitos,
Fez questão de esperar.
Sonhou, lutou, venceu seus medos,
Mas não o viu chegar.

Onde está a ilusão?
De que mundo veio o temor?
Não rasgue nenhum coração.
Já estou farto, pare, por favor...
Não se esqueça da lição.

Provoque a onça e lembre-se de matar.
Não demore, o tempo passa...
E você, frente à onça, também pode passar.
É só mais uma valsa...
Não se esqueça de dançar.

Genética proibida, alusão fatal.
Sirva ao seu reino, o imperador é imortal!
Queime as bruxas, mate as crianças,
temos o poder! Extermine a esperança!

É em nome de Deus que venho te contar:
Não sou homem, não sou terra,
Sou a água santa, sou a juventude dispersa.
Eu sou o céu, eu sou o mar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores