segunda-feira, 14 de maio de 2012

De poucas palavras

Eu continuo restrito a esse mundo ignóbil de mim mesmo. É pretensioso estar de pé sem saber que direção alçar. Eu vivo uma inconstância efêmera, assim espero. Meu lacre é inviolável: ou quero ou não quero. O que me sustenta neste alicerce precluso são meus olhos de gaivota dourada, que se não perdem o foco também não cedem às lágrimas. Sou homem de poucas palavras... Muitos sentimentos. 

2 comentários:

  1. Por algum motivo, sempre q leio algo seu, sinto uma vontade quase incontrolável abrçar bem forte esse menino de quem gosto tanto, e rir um riso frouxo e sem razão, como nos velhos tempos. O passado deve ter fortes razões pra existir.
    Monte de Beijos, Pablito, da sua amiga boba, Nana Barreto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu agradeço a Deus por existir um passado em que você esteve presente! E espero que o futuro nos proporcione a proximidade novamente, afinal, gosto demais da sua amizade. Beijo!

      Excluir

Seguidores